Universo paralelo e criação


Semana passada, mais especificamente do dia 19 de maio de 2020 em diante, vários sites de notícias (internacional e brasileiro) publicaram que cientistas da NASA (agência espacial americana) tinham encontrado evidência de universo paralelo através de um experimento na Antártica chamado ANITA (Antarctic Impulsive Transient Antenna, um balão que possui vários instrumentos e que mede partículas vindas do espaço). O frisson foi tanto que chegou em terceiro lugar nos assuntos mais comentados do Twitter. Em outras palavras, o ANITA tinha detectado partículas que poderiam ser de um universo paralelo que nasceu junto com o nosso no Big Bang (tradução livre do artigo publicado no New York Post (https://nypost.com/2020/05/19/nasa-finds-evidence-of-parallel-universe-where-time-runs-backward-report/).



Mas, será que realmente foi detectado partículas vindas de outro universo? Essa é a evidência definitiva de que existe outro(s) universo(s)? Mais: como fica a nossa teologia frente ao multiverso?

Vamos começar com raios cósmicos. Estes raios vêm de diversas partes do universo (ou da nossa galáxia ou fora dela) e se transformam, ao se chocar com nossa atmosfera, em um verdadeiro chuveiro de partículas.


Um esquema sobre o chuveiro de partículas advindo de um raio cósmico.
Fonte: http://wiki.stoa.usp.br/O_que_%C3%A9_o_Observat%C3%B3rio_Auger_na_Argentina%3F

Olhando pela imagem acima: vem um raio cósmico do espaço, bate em alguma molécula / partícula de nossa atmosfera em 30 km de altura (os valores são aproximados) e, pelo choque, é desencadeado um chuveiro de partículas. Cada letra grega (pi, gama, mü, nü, etc) representa uma partícula (como elétrons, pósitrons, neutrinos etc). E, acompanhando essas partículas, há fótons em diversas frequências (raios gama, rádio etc). O que o ANITA faz, a grosso modo, é detectar fluxo de neutrinos e radiação em frequência de rádio que são sinais de reações de neutrinos de alta energia.

O que aconteceu e abalou os pilares da Terra é que o ANITA descobriu alguns neutrinos que tinham comportamento anômalos, ou seja, não se encaixavam muito bem com a física de partículas no quesito de interações. Ou seja, a origem que foi detectado esses neutrinos anômalos não se encaixavam com as explicações que trabalhamos. E, é justamente para isso que serve um cientista, várias hipóteses são colocadas na tentativa de explicar esses fenômenos anômalos. E uma dessas possíveis explicações (encurtando a história) vai de encontro a questão de multiverso ou de universo paralelo.

Agora, desfazendo o que foi relatado na mídia: o ANITA não é um projeto da NASA mas tem colaboração com ela (e vários outros centros de pesquisa. Outro ponto a ser destacado é que não foi evidenciado universo paralelo: há UMA hipótese sobre isso, baseada em uma estrutura matemática que chamamos de supersimetria, mas que não há evidência alguma de seu funcionamento no mundo físico. Dito de outra forma: não foi encontrado, provado ou evidenciado universo paralelo.

Mas, e se houver? Há algum problema para a nossa teologia cristã? A resposta é um claríssimo não: o mesmo Criador do nosso universo é o do multiverso (região hipotética com um ou mais universos, além do nosso). Como diz no verso 16 do capítulo 1 de Colossenses,

porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis,

Ou seja, Deus criou todas as coisas físicas, seja universo ou universos. Não importa se a gente detecta ou não: tudo foi criado Ele e para Ele. Obviamente, não há nenhum motivo para pânico ou preocupação com relação a isso: Ele mesmo cuida de nós.

Por isso vos digo: Não andeis cuidadosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer ou pelo que haveis de beber; nem quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o mantimento, e o corpo mais do que o vestuário?

Mateus 6:25

Só isso?! Sim! Mas, ficou em dúvida, quer perguntar algo, deixar algum comentário ou sugerir algum tema, deixe abaixo! Ficarei feliz em te responder, seja nos comentários ou em algum artigo específico.


Dr. Alexandre

Até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *